domingo, 25 de outubro de 2009

Uma famosa "Sala do Terror"...



No seguimento da apresentação do meu sistema venho agora apresentar a outra metade do mesmo, porque nenhum sistema de som funciona independentemente do espaço onde se encontra. Aqui está a "Sala do Terror"!

Assim carinhosamente apelidada porque os "modos", ressonâncias e reflexões abundam neste espaço, e foi necessária alguma bricolage (a tratar com mais detalhe noutro post) para melhorar a sua interacção com o resto do sistema audio. Assim, como componente fundamental do sistema, fica desde já apresentada, descrita e com um "relato" das principais alterações a que foi sujeita.

Dimensões gerais:
Largura 562cm / Comprimento 389cm / Altura 268cm
Pormenor da janela:
Largura 187cm / Altura 197cm

  A disposição da sala é mais ou menos esta:



Esta sala apresenta vários problemas, de grande intensidade. Não sei se por causa das dimensões, ou da própria construção interna das paredes chão e tecto... a tendência para ecos e ressonâncias é enorme, e é muito difícil escapar aos modos da sala, parece quase impossível não ter graves enfatizados e embrulhados... e a gama média disparada de e para todas as direcções...

Mas não é impossível transformar uma "sala do terror" num local minimamente adequado para ouvir música... Vou descrever aqui com algum pormenor as várias fases de melhoramentos e alterações que foram feitas. Convém desde já fazer notar que as operações realizadas tiveram por base um complexo e rigoroso sistema de medição e avaliação de resultados sonoros: ouvidos + cérebro



Para resolver uma boa parte dos problemas de gama baixa e média baixa, a solução foi reposicionar as colunas no limite da habitabilidade e do WAF (Wife Acceptance Factor), ou seja, o mais possível afastadas das paredes traseira e laterais. Neste momento tenho as colunas com as seguintes distâncias (medições feitas tendo por ponto de referência o painél frontal das colunas ao nível do woofer):

- Para parede traseira: 95cm
- Para parede lateral mais próxima: 75cm
- Para parede lateral mais distante: 255cm
- Entre as duas colunas: 210cm
- Entre cada coluna para ponto de audição: 280cm

Aqui o principal problema continua a ser a disparidade das distâncias para as duas paredes laterais, mas isto foi o melhor que se conseguiu. A distância para a parede traseira está neste momento bastante grande e permite às colunas respirar livremente... infelizmente o plasma de 43" no meio das colunas não ajuda nada (e testei isto também), mas por enquanto terá de ficar assim. O ponto de audição pode ser afinado com alguma margem de manobra, para mais perto ou mais longe das colunas (movendo o sofá) e isso tem grande impacto na percepção dos modos da sala, mas cheguei à conclusão de que resulta melhor quase encostando o sofá à parede traseira, deixando apenas uns dois centímetros de intervalo entre eles.



Tipicamente o som melhora com o aumento da distância entre colunas e paredes, mas há limites do que é razoável para o espaço continuar habitável e confortável. Dentro dos limites referidos, fiz vários testes (na verdade vou fazendo, é um processo que não está próximo de terminar) com pequenas variações de posicionamento das colunas (e subwoofer), para progressivamente me aperceber das diferenças e escolher o melhor posicionamento, que resulte melhor em termos de linearidade da resposta de frequência das colunas+sala. Outro factor importante a ter em conta é a orientação das colunas relativamente ao ponto de audição, ou seja se "apontam" duas linhas imaginárias com maior ou menor ângulo de convergência (o chamado "toe-in"), sendo que há sobre isto as mais variadas teorias e tentativas de nos dizerem o que é "mais correcto", mas na verdade o resultado sofre variações que no fim só podem ser avaliadas à luz das preferências de cada um... além do mais, uma regra aplicável às colunas X pode bem não se aplicar às colunas Y. Neste momento, e porque isto também vai sofrendo alterações com o meu estado de espírito, as colunas estão orientadas quase a direito, com um "toe-in" mínimo, quase negligenciável. O chamado "triângulo imaginário" formado pelas duas colunas e ouvinte não só tem um lado mais curto (a distância entre colunas) como o vértice do ouvinte está formado num ponto que lhe fica muito atrás. Com estas colunas, nesta sala, isto resulta numa expansão do "palco sonoro" que cresce para os lados e se torna mais profundo também, mas perde um pouco a definição e detalhe nas altas frequências... o compromisso não é mau, e como vou aprendendo cada vez mais, o audio é um jogo permanente de compromissos.



A colocação do sistema e sua orientação, dentro dos limites de habitabilidade e funcionalidade da sala, foram suficientes para resolver uma enorme fatia dos problemas acústicos mais proeminentes. Bom, foi a colocação, e a escolha de componentes com poucas colorações e distorção... sim, o sistema também participa nesta "festa", e nem tudo é provocado pela sala "per si", muitas vezes os fenómenos acústicos das salas só se notam porque estão a "amplificar" defeitos do próprio sistema. É importante, especialmente numa sala que "amplifica" muito, ter um sistema limpo, com o máximo de linearidade, poucas ou nenhumas colorações, e um mínimo de distorção.



Mas além destes dois processos paralelos... a "bricolage" que realizei teve um contributo importante para um resultado final que considero positivo. Estas alterações focaram-se principalmente no tratamento acústico através de um maior "enchimento" do espaço dentro da sala, colocação de tapetes, cortinados, telas, paredes forradas com estantes, utilização de tubos "bass traps" nos cantos, painéis de absorção nas paredes, e espuma de isolamento acústico em locais estratégicos, "quase invisíveis". Detalhes sobre estas operações em posts que publicarei brevemente.



www.VinylGourmet.com - Discos de Vinil / Edições Audiófilas

6 comentários:

  1. Caro Sérgio, experimenta introduzir as medidas da tua sala neste 'Room Modes calculator' e terás uma agradável surpresa!
    Aqui fica um sumário:

    Frequency Regions:
    - No modal boost: 1hz to 44hz
    - Room Modes dominate: 44hz to 112hz
    - Diffraction and Diffusion dominate: 112hz to 448hz
    - Specular reflections and ray accoustics prevail: 448hz to 20000hz

    ResponderEliminar
  2. O link :)

    http://www.bobgolds.com/Mode/RoomModes.htm

    ResponderEliminar
  3. Obrigado. Mas a supresa é agradável porquê? hehehehe

    A zona típica dos modos de sala em apartamentos é, como no meu caso, entre os 50hz e os 90hz (os picos normalmente estão nessa zona).

    Mas além das dimensões e posicionamento de colunas... acho que o tipo de construção e materiais utilizados (nas paredes, chão e tecto), tem um impacto muito grande, que não é fácil "contabilizar" :(

    ResponderEliminar
  4. Agradável, porque há muito, mas muito pior.
    No gráfico colorido do report apenas ficam duas zonas amarelas.
    Se esperimentares com outras medidas, para uma sala cúbica, p. ex. vais ver a diferença!

    ResponderEliminar
  5. Pois é verdade. Mas não se trata apenas das dimensões... há ali outros factores em jogo :(

    Seja como for, estou muito satisfeito com os resultados que consegui obter neste espaço hostil. Já se ouve música :)

    ResponderEliminar
  6. Encontrei o seu blog. Estou feliz.
    Eu era comproprietário de uma casa.
    Esta tinha chão de cortiça e papel de parede.
    O outro comproprietário resolveu fazer obras e transformou um ambiente agradável num pesadelo.
    Retirou a corticite do chão e instalou chão flutuante que refkecte o som.
    Retirou o papel de parece que tinha uma ligeira rugoridade dispersando ,absorvendo o som e fez parede nua.
    Acrescentou um pedaço de parede entre kit chet e sala.
    A sala que tinha som agradável transformou-se numa câmara de terror.
    Hà eco por todo o lado.

    Vejo que não estou só.

    ResponderEliminar